Necessário

O tipo de elogio que vale a pena fazer

Fui com um casal de amigos e um casal amigo deles assistir Caravanas, o show do Chico Buarque, em janeiro do ano passado. As mesas do Vivo Rio comportam 4 pessoas, então eu tive que me separar do meu grupo sentar com três senhoras simpaticíssimas e muito mais animadas que eu, mandando descer toda a sorte de petiscos e aparentando serem fãs do Chico desde sempre.

O show foi um verdadeiro desbunde, como já era esperado. Incrível. Tirando a parte dos garçons andando pra lá e pra cá sem parar durante a apresentação, mas isso não é culpa do Chico. Eu estava extasiada, porque li em algum lugar que ele não é muito chegado a fazer shows e já está com uma certa idade, vocês sabem… Estava feliz em ter tido a oportunidade de ver o Chico Buarque cantar pelo menos uma vez na vida.

Foi em algum momento entre músicas novas, hinos atemporais, outras antigas que eram inesperadas e os gritos de “OLÊ OLÊ OLÊ OLÁ LULA LULA” que minhas companheiras de mesa também entraram em êxtase e começaram a disparar elogios pro Chico: lindo, maravilhoso, todas essas coisas que já cansamos de ouvir. Aí uma delas gritou: NECESSÁRIO! Necessário! Quem diz isso? Por que ninguém diz isso?

Desse dia em diante eu venho tentando pensar mais antes de elogiar alguém. A verdade é que o que pode ser um baita elogio pra mim, pra outra pessoa pode ser exatamente o contrário. É tipo aquela pessoa que vive na luta pra perder peso dizendo “você emagreceu” pra amiga que foi chamada de Olívia Palito na escola a vida inteira. É complicado.

Mas o necessário, não. Necessário não tem erro. Foge de qualquer estereótipo de beleza. E que mania a gente tem de ficar falando de beleza externa, né? Dia desses uma amiga minha postou um vídeo falando sobre trabalho, um tema super importante, e uma galera comentou “linda”. Engraçado…

Necessário diz à pessoa o quanto ela é importante pra alguém ou pra alguma coisa. Chico Buarque é lindo (ainda é, vocês precisam ver). Mas a verdade é que a beleza não fez lá muita diferença perto de toda a obra que ele criou. Aquela capa de álbum que virou meme tem a cara dele estampada, mas dentro do álbum tem uma penca de músicas incríveis que ele fez com 21, 22 anos e isso sim é louvável e digno de todos os elogios possíveis.

Esse ícone de capa

É necessário dizer

Em tempos de elogios pré programados em fotos forjadas no Instagram, quem quer elogiar de verdade precisa se esforçar pra enxergar um pouco mais além do que está na superfície. Algumas pessoas estão travando batalhas internas com elas mesmas todos os dias. Estão buscando segurança, motivação, pertencimento. Estão querendo fazer a diferença no mundo ou só se salvar dele. Tudo isso é trabalhoso, exaustivo e muito admirável. Quando você resume a sua opinião sobre alguém só pelo que está por fora, você ignora tudo isso.

Vamo combinar uma coisa? A partir de hoje todo mundo é lindo. Eu sou linda, você é lindo, todo mundo lindo. Passa a ficar subentendido e comentar é redundante. Vamos focar nosso esforço em fazer quem é necessário pra gente ficar sabendo disso.

Rupi Kaur já avisou

Jornalista de Niterói sobrevivendo diariamente ao golpe de 2016. Escrevo para marcar meu tempo nesse espaço.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.